SÁBADO | 8 DE ABRIL - 00H30

Chet BakerTrompetista e cantor de jazz norte-americano, Chet Baker sempre foi influenciado pelo seu pai, guitarrista, de quem herdou a paixão pela música e de quem recebeu, aos 10 anos de idade, um trombone. Amante do Jazz, não tardou em conquistar o sucesso, sendo apontado como um dos melhores trompetistas do género logo com o seu primeiro album.

Especialistas dividem a vasta obra do músico em duas etapas: a fase cool, do início da sua carreira, mais ligada ao virtuosismo jazzístico, e a outra, a partir de 1957, quando a sensibilidade na interpretação torna-se ainda mais evidente.

Avesso às partituras, Chet não deixou, entretanto, de integrar as big bands americanas. Era dotado de uma extrema criatividade, inaugurando um modo de cantar no qual a voz era quase sussurrada.

Para tocar as músicas, Chet pedia apenas o tom. Económico nas notas (ao contrário de outros trompetistas, como Dizzy Gillespie, que preferiam o virtuosismo), improvisava com sentimento. Valorizava as frases melódicas com notas longas e encorpadas, o que acabou por lhe trazer o rótulo de cool.

Chet Baker morreu aos 58 anos, em Amsterdão, de forma trágica e misteriosa, na madrugada de 13 de maio de 1988, ao cair da janela do Hotel Prins Hendrik. Até hoje, as circunstâncias de sua morte são controversas.

Nesta noite de Fábrica Braço de Prata, Chet Baker será lembrado pela voz e "trompete" de Salvador Sobral, acompanhado por Júlio Resende ao piano, Joel Silva na bateria e André Rosinha no contrabaixo.